Zika Virús

Entenda a doença transmitida pelo Aedes aegypti e saiba como se prevenir.

Identificado no Brasil em abril de 2015, o zika vírus, assim como a dengue, a chikungunya e a febre amarela (erradicada no país desde 1942), é transmitido pelo Aedes aegypti. O mosquito é visto hoje como o grande vilão da saúde brasileira, principalmente entre as gestantes, já que 41 casos de microcefalia - quando o cérebro do bebê nasce menor, prejudicando seu desenvolvimento -, associados ao zika vírus, foram confirmados no país, além de quase 4 mil investigados.

Quem pega o zika vírus sofre de sintomas parecidos com os da dengue, como febre, dor de cabeça, dor nas articulações e manchas vermelhas na pele e nos olhos. Mais de 80% dos casos são assintomáticos. Quando aparecem, os sintomas desaparecem entre 3 a 7 dias. O tratamento também é praticamente o mesmo da dengue e chikungunya, já que o paciente deve permanecer em repouso e beber bastante líquido.

Uma possível complicação causada pelo zika é a síndrome de Guillain-Barré. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) há "indícios consistentes" do aumento de casos em regiões afetadas pelo vírus. Trata-se de uma doença do sistema nervoso que ocorre quando as defesas do organismo são mais intensas do que o necessário e passam a atacar partes do corpo. Os principais sintomas são fraqueza muscular e paralisia dos músculos, podendo levar à paralisia total dos membros, por tempo indeterminado, exigindo internação em UTI.

Já nos casos comuns, são indicados algunsmedicamentos para dor, como paracetamol. Não se deve fazer uso de remédios que contenham ácido acetilsalicílico, pois eles podem desencadear hemorragias. Enquanto pesquisadores brasileiros e estrangeiros não encontram uma vacina contra o zika vírus, o melhor a fazer ainda é prevenir a proliferação do mosquito Aedes aegypti. Confira a seguir algumas dicas:

1 - Usar repelente: O produto ajuda a manter o mosquito longe e deve ser reaplicado a cada 6 horas para que seu efeito seja mantido. Entre as opções recomendadas para grávidas e crianças estão os repelentes industriais Exposis, OFF e Repelex, além dos repelentes caseiros feitos com cravo da índia, complexo B e óleos essenciais.

2 - Evitar acúmulo de água parada: É preciso retirar entulhos do quintal ou de terrenos vizinhos abandonados; virar para baixo garrafas vazias e baldes; limpar calhas e canos duas vezes por semana; cobrir caixas d'água e piscinas; varrer a água parada acumulada no quintal ou na rua. Outro cuidado importante é lavar recipientes com água e sabão, porque os ovos do Aedes podem resistir por um ano em local seco, somente à espera de uma quantidade mínima de água, como encontrada numa tampinha de garrafa, para poder iniciar sua transformação em larva e mosquito.

3 - Colocar areia nos vasos das plantas: Deve-se colocar terra nos pratos que ficam embaixo dos vasos, pois ela manterá a umidade para a planta e evitará a reprodução do mosquito. É preciso também lavar diariamente os recipientes de comida de animais domésticos, que normalmente acumulam água.

4 - Colocar telas em portas e janelas: Colocar telas em portas e janelas é importante para impedir a entrada do mosquito em casa, evitando que ele se multiplique no lixo da cozinha, em vasos de plantas ou em poças de água no banheiro, por exemplo.

5 - Cuidado com o lixo: É importante fechar bem os sacos plásticos e colocar o lixo na rua apenas nos dias de coleta. Além disso, deve-se evitar o acúmulo de material de construção, pneus ou outros objetos no quintal, pois eles também podem acumular água e abrigar as larvas do mosquito.

6 - Usar camisinha: Se o seu parceiro apresentar os sintomas de zika é recomendado usar preservativo em todas as relações sexuais, porque há indícios de que o vírus também está presente no sêmen e pode contaminar a mulher dessa maneira. Pesquisas para essa comprovação estão sendo feitas.

Fonte: Zika Vírus. Leia Agora, Santa Luzia, p. 04, 19 fev. 2016.

 

© Copyright Prefeitura Municipal de Santa Luzia 2016. Todos os direitos reservados.